Recapitulando

Hello!

Aqui estou eu, ouvindo Muse (*___*), jantada (arroz, feijão, purê de batata e “molhinho” de vagem – como é dito lá em casa #MineirosFellings) e tentando entender o que eu fiz com os meus últimos dias, já que não consegui postar nada desde domingo. Bom, vamos recapitular então…

Segunda-feira: a melhor notícia do mundo

Chegou a hora de revelar todo o mistério dos últimos posts: sim, eu fui chamada para uma entrevista de emprego. Desde que pensei nesse intercâmbio, minha ideia era trabalhar como babá ou, como eles chamam por aqui, Au Pair. E como eu consegui? Fiz um anúncio em sites de classificados de emprego, bem diferente dos estão por lá. Poxa, eu sou publicitária e, se eu não conseguisse me diferenciar dos meus concorrentes, então não serviria para nada! E como foi a entrevista? Adorei o casal e as crianças (trigêmeos de 10 meses e mais um de 2 anos), o horário é exatamente o que eu preciso, o salário não é incrível, mas paga as contas. E o que aconteceu depois? Minha patroa me ligou e disse que ficaria “delighted” se eu aceitasse trabalhar para eles. Melhor, impossível =)

Terça-feira: a primeira cabulada a gente nunca esquece

O dia não estava para escola, então resolvemos aproveitar para passear por aí. A primeira parada foi o Bank of Ireland, um edifício majestoso localizdo no centro. Ele foi projetado para ser o parlamento irlandês, em 1739. A curiosidade é que esse foi o primeiro prédio a ser construído para este fim, em toda a Europa. Porém, alegria de irlandês sob domínio inglês dura pouco e o parlamento foi dissolvido em 1800 e os assuntos do país voltaram a ser decididos por Westminster, em Londres. Então o Bank of Ireland, um dos maiores do país, comprou o prédio para criar sua mais bonita agência. Quem não queria ter uma conta lá, hein?

Entrada principal

Mas eles preservaram a House of Lords, que é aberta para visitação ao público. A sala é magnífica. Poxa, porque esses caras tinham mania de fazer coisas tão estupendas assim? Meu coração não aguenta! Um guia sempre fica por lá e ele ficou surpreso quando eu comecei a fazer perguntas sobre o funcionamento do parlamento. E mais surpreso ainda quando descobriu que eu sou brasileira: “Não vejo muitos brasileiros por aqui, sabe?”. Sei =)

Lustre de cristal *___*

Depois, decidi passear pela Grafton Street, uma das mais populares ruas de compras em Dublin, com lojas de grife, cafés, restaurantes e o lindo shopping Stephen Green no final. A loja mais famosa de lá é a Brown Thomas e seus artigos de luxo, que estudantes-falidos-como-eu não podem nem olhar.

Intrerior do Stephen's Green

O que eu mais gosto na Grafton Street é o barulho. Ao caminhar por ela, você ouve pessoas conversando em diversos idiomas diferentes e ouve música em toda a sua extensão, com os artistas de rua que dão a graça por lá. Muito legal =)

Outra atração da Grafton é a estátua da Molly Malone. Ela foi inspirada em uma canção, que é considerado como o hino não-oficial da cidade, e que conta a história de uma bela mulher que vendia peixes nas ruas de Dublin, mas que morreu jovem de uma forte febre. Não existe prova de que a tal Molly Malone realmente existiu, mas o governo encontrou uma que poderia ser ela e que morreu em 13 de junho de 1699, então proclamou esse dia como “Molly Malone Day” e construiu uma estátua em homenagem a ela. Legal, eu curto essa historia. Olha só como é bonitinha a música =)


Depois disso, ainda fomos para a National Library, prédio lindo que abriga um acervo com as primeiras edições dos livros dos principais escritores do país, além de uma cópia de quase todo livro já publicado na Irlanda. O mais impressionante do prédio é a Sala de Leitura, que tem mesinhas gastas e luminárias verdes, como era antigamente. É uma sala circular, enorme, silenciosa, com livros velhos, novos, curiosos. A biblioteca não realiza empréstimos, você pode apenas consultar os livros por lá.


Quarta-feira: legalizado as coisas

Finalmente conseguimos o nosso tão sonhado GNIB (Garda National Immigration Bureau)! Eu ainda não comentei aqui, mas o processo é meio chatinho e demorou exatos 23 dias para ser concluído.

Primeiro, você tira o PPS – como um CPF da Irlanda. E chega o comprovante na sua casa, após 10 dias. Depois, com o PPS, você abre a conta no banco. E chega a senha na sua casa, após 3 dias e o cartão após 5 dias. Depois, você deposita os 3.000 euros e pede o statement. E ele chega na sua casa, após 3 dias. Depois, com o PPS, o statement e o passaporte, você vai até a Garda, solicita o GNIB, paga 150 euros e sai de lá com a carteirinha, dizendo quando você legalmente pode viver, estudar e trabalhar por aqui. Amazing =)

Estava um dia bonito, então resolvemos andar e descobrir mais algumas coisas. E logo vimos a Custom House, um enorme prédio que sempre abrigou órgãos do governo.

Depois, The Famine Statues, um monumento em homenagem a todos os irlandeses que morreram no período conhecido como a “Grande Fome”, caracterizado pela perda consecutiva de 3 safras de batata, por causa de uma praga, o que causou a morte de um milhão de pessoas morreu e a imigração de mais dois milhões, principalmente para os Estados Unidos.


E por fim, conhecemos a Samuel Beckett Bridge, uma ponte estaiada, construída em homenagem ao escritor irlandês Samuel Beckett, ganhador do Nobel de literatura. Por lá, descobrimos uma Dublin diferente da que estamos acostumadas: prédios modernos, de vidro, pessoas engravatadas. Como uma cidade pode mudar tanto, em poucos metros? Engraçado =)


Quinta-feira: último dia de vagabundagem

E hoje, nada de mais, pois resolvi aproveitar o meu último dia de vagabundagem, já que começo a trabalhar na próxima semana. Fizemos almoço, limpamos a cozinha, dormi à tarde e aqui estou, atualizando o blog =)

Amanhã, grandes acontecimentos à vista! Primeira visita para fora de Dublin programada (com 11 km de distância) e aniversário de namoro com o meu querido, em que faremos uma comemoração diferente (com mais de 9 mil km de distância).

See you!

Anúncios

Primeira aula, primeiro documento, primeira compra na Penneys

Hello!

Como estão?

Estamos com saudades e com o nariz vermelho. É, o frio tá apertado por aqui, pelo menos para nós, que viemos de um Brasil com temperatura de 30 graus nos últimos dias.

Dia agitado por aqui.

De manhã, ficamos sem café da manhã. O Tony, nosso host-brother, por ser menino, não liga muito para essas cerimônias e não nos mostrou onde poderíamos pegar cereais e pão. Ficamos com vergonha de perguntar e ficamos com fome. Bom começo.

Mas ele foi legal, nos levou para a escola. Pegamos um ônibus e, nos 20 minutos seguintes, eu o bombardeei com perguntas meio invasivas: “Hey Tony, os irlandeses não gostam mesmo dos ingleses? E dos franceses? E você é católico? Mas você não gosta dos protestantes? Porque? E onde é o seu lugar favorito aqui em Dublin? Você pode me dar o endereço?”. Cara legal, respondeu tudinho. Gostei muito dele =)

Na escola, a recepcionista é russa e muito legal, a Karolina. Após o teste de classificação de nível, vou para a turma do Upper-Intermediate, meu mesmo nível no Brasil. Meu professor é legal, o Ciaran, irlandês mesmo. Muitos brasileiros, alguns russos, um colombiano e uma sul africana na minha sala. Muito bom, gostei.

E, depois do estudo, cuidemos das obrigações certo? Fomos tirar a nossa primeira documentação, o PPS number, para que o governo controle que você está trabalhando e pagando imposto. Sem ele, nada de visto. Foi tranquilo, bastou apresentar o passaporte, a carta da escola e retirar uma senha. A espera era longa e a fome era muita, então decidimos almoçar (hamburguer com batatas fritas). Sem criatividade, eu sei, mas era o que tinha por perto e não poderíamos perder a senha, sabe como é.

PPS encaminhado, vimos a incrível Penneys na esquina, como que uma recompensa pela longa espera! Para quem nunca ouviu falar, a Penneys é tipo uma Renner aqui da Irlanda. A diferença é que você não encontra uma blusa de 6 euros ou uma jaqueta de couro por 23 euros na Renner. NUNCA.


E compramos, pagando pouco. O jogo com quatro esmaltes saiu por 3 euros, o jogo com 3 cintos saiu por 0,50 euros (*__________________*) e a meia calça por 4 euros. Ai, ai, vou pagar excesso de bagagem na volta, ah vou.

De volta à casa esperamos as malas, que demoraram mas chegaram. Ficamos tão felizes que saímos para a rua, de meias. Ok, foi muita burrice, já que os meus pés estão gelados até agora. Mas não tínhamos chinelos, poxa!

E, para finalizar, o jantar do dia foi lasanha congelada, salada gelada e pudim gelado. Ei, host-mother, volta logo? =(

P.S.: Sabe, isso ainda parece um sonho. Não acredito que estou aqui, mesmo com os lábios ardendo. Não acredito.

P.S.: Vocês não tem ideia de como tem brasileiros sem noção por aqui. Na escola, encontramos meninas que não falavam NADA de inglês, não sabiam NADA sobre como tirar o visto e também estavam sem as malas. Resultado: a Karolina me colocou para ser intérprete, porque perdeu a paciência com elas. Será que eu posso cobrar por isso das próximas vezes? A Aline acha que sim =)

P.S.: Plenamente feliz agora, com as minhas calcinhas, shampoo e pijamas ^^

See you!