Fazendo compras: Supermercado

Olá!

Ainda não digo o porquê, mas os meus dias de abastecimento nos supermercados estão acabando. E, como essa tarefa fez parte da minha rotina semanal desde a minha terceira semana aqui (quando mudei para o flat), acho importante registrar os destalhes dessa experiência.

A divisão do pão

Como eu e a Aline moramos juntas, comemos as mesmas coisas (quer dizer, quase as mesmas coisas, porque a Aline não gosta do que ela julga com consistência estranha, como cogumelos ou abobrinhas >.<), tivemos a ideia de dividir a nossa comida. Compramos, cozinhamos e comemos juntas. E é uma mão na roda, pois economizamos e dividimos as tarefas.

Criamos um cofrinho (lata de achocolatado vazia =P) e depositamos 50 euros cada uma lá, no começo do mês. No geral, dá certinho. Em alguns meses, onde o excesso de guloseimas se faz presente, precisamos colocar um pouquinho a mais.

Por conta dos horários dos nossos trabalhos (o meu à tarde, o da Aline à noite), dividimos as tarefas de forma que ela fique responsável pelo almoço e eu pelo jantar, incluindo a limpeza das louças. Além disso, ela é responsável pelo arroz (cozinhamos uma vez por semana, para sobrar) e eu pelo feijão (cozido a cada duas semanas). Funciona bem, no geral =)

Os fornecedores

Adotamos o Tesco (fundado em 1929 na Inglaterra), como o nosso principal fornecedor, pois é perto de casa, tem tudo o que precisamos e possui o formato mais parecido com o que temos no Brasil. O preço é bom, mas nem sempre é o menor.

Para alguns itens em específico (Nutella, cogumelos, geléia e mini-muffins) também utilizamos a Aldi (fundada em 1913 na Alemanha) e o Lidl (fundada em 1930 na Alemanha também), que têm produtos mais diferenciados, expostos de um jeito engraçado, não naquelas grandes prateleiras que vemos normalmente, mais em caixas e prateleiras baixas. Fica informal, é legal =)

O que só tem aqui

– Sem choro e nem vela, se quer sacola de plástico, tem que pagar por ela. Não sei como está a situação em São Paulo com relação a isso, mas aqui é bem sério. No começo, demoramos para acostumar, esquecendo a sacola e por várias vezes voltamos carregando as compras na mão >.<

– Se você não quer esperar na fila e não gosta de atendentes, pode usar o caixa de auto-atendimento. É um barato! Você escaneia os produtos, seleciona a forma de pagamento, paga e recebe o comprovante. E para os aproveitadores de plantão, não tem jeito de “esquecer” de escanear algum dos produtos, pois sempre tem um segurança por perto =P

– Produto perto de vencer é mais barato, nas sessões “Reduced to clear”. Particularmente, eu nunca achei nada que valesse a pena, porque sempre tenho a sensação de que chego tarde demais e perco os melhores, mas é interessante a proposta.

Os itens

A lista de compra essencial na casa da Talita e da Aline é:

Arroz, Azeite, Cebola, Alho, Tomate, Alface, Pepino, Batata, Vagem, Cenoura, Espinafre, Brócolis, Abobrinhas, Cogumelos, Iogurte, Queijo ralado (mussarela, já que não existe parmesão ralado aqui ¬¬), Macarrão, Molho de tomate, Creme Fraichè, Salsicha, Nuggets de frango, Nuggets de peixe, Peito de frango, Pão, Leite, Creme de chocolate (a famosa Nutella – que não é Nutella de verdade, mas é mais gostoso!), Geléia, Ketchup, Limão, Achocolatado, Manteiga, Cream Cheese.

Imagina trazer tudo isso para casa nas costas? É, essa é a pior parte do negócio. Afinal, os supermercados são perto de casa, mas tudo fica longe com uma sacola pesada no ombro =P

P.S.: Não compramos produtos de limpeza individualmente, porque aqui em casa opera uma “vaquinha” de 5 euros cada por mês, e a Yujin é responsável pela compra de papel higiênico, detergente, sabão em pó, produtos de limpeza, essas coisas.

P.S.: Só para atualizar, ontem foi a minha primeira visita à Diceys Garden, famosa balada onde o pint é só 2 euros às terças-feiras – local de trabalho da Aline. Porque ontem? Porque os dias de voltar à pé das baladas estão contados e eu precisava ir lá pelo menos uma vez, poxa! Como foi? Depois de 3 pints e conversas engraçadas com os espanhóis malucos que estudam na sua sala, tudo fica lindo! =P

Até mais!

Anúncios

Produtos #Tops sem os quais não vivemos

Hello!

Fazendo um intercâmbio você acaba tendo que fazer muitas coisas que não está acostumado. Uma delas é fazer compras no supermercado. No começo, é difícil, você não sabe o que comprar, quanto tempo vai durar, se o legume está bom ou não. Mas, aos poucos, vai se acostumando e descobrindo alguns tesouros nas prateleiras.

Esses são os nossos produtos #Tops, que não ficamos sem! Pode acabar tudo: leite, pão, arroz e feijão. Mas sem esses, nunca ficamos =)

Geléia de Morango
Preço em euro: 0,99
Preço em real: 2,37
Porque é Top: porque vai no pão, no pudim de arroz e até no sorvete. E tem pedaços de morango e sementinhas *__*


Iogurte Natural
Preço em euro: 0,55
Preço em real: 1,32
Porque é Top: porque eu como com cereal de fibras e mel toda manhã, para fazer o organismo funcionar, sabe? (Activia, quem precisa de você? ¬¬)

Queijo Prato
Preço em euro: 0,57
Preço em real: 1,36
Porque é Top: porque é o melhor queijo do universo! É ridículo de tão barato, derrete com 10 segundos no micro-ondas e vai bem com tudo, de sanduíches a omeletes s2 s2 s2 s2

“Nutella”
Preço em euro: 0,99
Preço em real: 2,37
Porque é Top: não, não comemos a Nutella oficial, porque descobrimos que essa é muito melhor! Comemos TODOS OS DIAS, com pão. E como disse a Aline certa vez: “Poxa, eu fico torcendo para chegar logo a hora de comer o pão com “Nutella”. É, esse é o mais #Top de todos!

Maçãs
Preço em euro: 3,00
Preço em real: 7,26
Porque é Top: porque pagamos só isso e comemos duas maçãs por dia (cada uma) por duas semanas. E o melhor, elas nunca estragam!

Vagens
Preço em euro: 1,29
Preço em real: 3,12
Porque é Top: porque substitui a nossa carne, porque é fininha, porque fica muito boa refogada na panela com cebola e porque agora comemos vagens a cada 2 dias! s2

Sim, comida aqui é muito barato no geral. O curioso é que meus amigos de outros países (Rússia, Espanha, Alemanha e França) dizem que acham a comida aqui muito cara e que em seus próprios países é beeeem mais barato. Dá para acreditar? o.O

P.S.: Final de semana a caminho \o/

P.S.: Hoje ganhei um marmitex com comida irlandesa da minha chefe! Perguntei esses dias para ela: “Hey Margaret, qual é a boa da culinária irlandesa?”. E ela me disse: “Não há boa. Aqui não é um país com tradição culinária, porque o povo era muito pobre antes e quase que só tinha batatas para comer”. Ah, então tá explicado porque eles comem tanta batata assim. Enfim, acho que ela ficou com isso na cabeça e decidiu cozinhar um prato que é meio famoso nos restaurantes por aqui, o “Irish Stew – lamb with vegetables – carneiro com vegetais” e me deu um potão! Fiquei feliz =D

P.S.: Bruna Melo, obrigada pelo termo “Top”. Sabe, sempre usamos ele por aqui e sempre lembramos de você. Você é muito #Top pra gente =)

See you!

Resumo do final de semana

Olá!
Como estão?

Por aqui, o tempo não anda dos melhores. O vento gelado voltou com tudo e tem dias que chove, tem dias que faz sol, tem dias que chove e faz sol. Bem vinda à Irlanda, Talita, é o que as pessoas costumam me dizer =)

O feriadão da Páscoa foi tranquilo, mais do que eu gostaria na verdade, porque não viajamos e não fizemos meio que nada, culpa do tempo ruim e da minha falta de planejamento =(


Sábado, dia mundial das coisas que não dão certo

Missão: Visitar a prisão Kilmainham Gaol e o Irish Museum of Modern Art.
Status: Fail.
Motivo: A prisão estava LOTADA e não conseguimos entrar. Afinal, era aniversário do Levante da Páscoa de 1916 (que eu já comentei diversas vezes por aqui) e todos queriam ver o local onde os 14 líderes do movimento foram fuzilados. Falha minha em não pensar nessa possibilidade. Bom, ainda teríamos o Museu, se ele não estivesse fechado. Obrigada, responsáveis, por manter essa informação no site.


Sábado à noite, noite mundial para ir de bar em bar

Parada 1: Casa dos guris de Floripa, com pão de queijo e vinho.

Parada 2: Tentativa frustrada de entrar no bar Reilley’s. O segurança invocou com a cara de um dos guris e fomos barrados.

Parada 3: Pub Sin É – pequeno e aconchegante, com um DJ que toca a música que você quiser se você pegar no cofrinho dele.

Parada 4: The Mezz – o melhor lugar para ouvir música boa. Desta vez, uma banda com nerds que arrasavam nos instrumentos. Resultado: Stones, Beatles, The Doors, Led Zeppelin, Black Sabbath, Chuck Berry e por aí vai. Com direito a pints de graça esquecidos na mesa ^^

Este slideshow necessita de JavaScript.


Domingo, dia mundial das coisas fechadas

Missão do dia: comprar um tênis que proteja os meus pés dos 10 Km diários de caminhada.
Status: Fail.
Motivo: Lojas e shoppings fechados.

Mas nem tudo estava perdido, porque eu fiz uma coisa superespecial neste final de semana: assistir a uma ópera européia, na Europa. Um grande sonho dentro do meu grande sonho.

E de onde você tirou dinheiro para isso? Não tirei! Acontece que o The National Concert Hall vende ingressos por 5 euros para estudantes, uma hora antes de cada espetáculo. Ah, obrigada por mais essa, Dublin!

A ópera em questão é “La Traviata” de Giuseppe Verdi, que estreou no Teatro La Fenice em Veneza, em 6 de março de 1853, adaptada do livro “A dama das Camélias” de Alexandre Dumas que, por sua vez, se inspirou em uma cortesã que foi sua amante e morreu de tuberculose.

E conta a história de Violetta (cortesã) e Alfredo (jovem de boa família) que se apaixonam. O pai de Alfredo é contra o relacionamento e pede a Violetta que o abandone, para não manchar a reputação e o futuro de sua família. Ela cede e convence Alfredo que não o ama mais. Ele , enlouquecido de ciúmes, ganha dinheiro no jogo, que usa para pagar Violetta, humilhando-a. Depois de um longo tempo, com Violetta doente de tuberculose, o pai de Alfredo lhe envia uma carta, dizendo que se arrenpendeu e que levará Alfredo até ela, para que eles se reconciliem. Mas é tarde demais, Violetta está a beira da morte. Ela entrega uma foto sua para Alfredo e diz para que ele entregue à próxima mulher que o amar, dizendo que estará protegendo o amor deles no céu. Dá um último suspiro e morre.

Foi incrível, do começo ao fim. Do maravilho teatro, ao lustre gigantesco no teto, aos senhores e senhoras bem vestidos tomando conhaque e vinho antes do início, aos músicos da orquestra que se levantavam e faziam reverência para o Maestro, que por sua vez coordenava tudo com precisão, aos atores que cantavam em italiano, com aquelas vozes poderosas, arrepiando até o último fio de cabelo de quem assistia, aos figurinos sensacionais, à equipe que fazia a troca do cenário tão rapidamente, à história romântica e trágica, do jeito que eu gosto ^^


Segunda-feira, dia mundial da preguiça

Eu até queria fazer alguma coisa hoje, mas e o medo de dar com a cara na porta novamente? Some-se a isso o fato de que fui dormir às 4h da manhã na noite anterior, falando com o meu querido, e tenha uma ideia do jeito que eu acordei na segunda. O que sobrou foi arrumar a casa, lavar roupa, organizar as coisas e estudar inglês.

Mas consegui comprar o tênis (Nike, por 35 euros), um óculos (Oscar de La Renta, por 19 euros) e as temporadas completas de The Big Bang Theory (25 euros) nas liquidações que se vêm por aqui. Como eu adoro a Europa ^^


Terça-feira, dia mundial de voltar à realidade

Hoje, rotina normal. Escola (speaking, listening, writing). Almoço em casa (arroz, omelete com presunto e molho pesto e salada). Trabalho (Allie estava choroso, os outros dois felizes e sorridentes). Casa (fazer janta, atualizar o blog, fazer o homework). E só!

Estou feliz por ter uma rotina. É como diz a minha Mamis: “A gente precisa de rotina para viver”. Saudade da sua sabedoria, Mamis ^^

P.S.: Hoje, não sei porque, senti que consegui falar muito melhor, na escola e no trabalho. Gente, será que é aquela linha divisória entre o avançado e o fluente chegando? *___*

See you!